sexta-feira, 26 de agosto de 2011

MUSCULAÇÃO FORTALECE OSSOS, MÚSCULOS E EMAGRECE!



O perfil de quem freqüenta a musculação, hoje, é bem diferente daquele que se via nas academias há dez anos. Em meio a homens e mulheres fortes e malhados, não é raro encontrar adolescentes e até idosos 'puxando ferro'. Muitos, inclusive, cumprindo ordens médicas.
A mudança nada tem a ver com a criação de uma versão light do exercício. O objetivo ainda é fortalecer e tonificar os músculos, com movimentos repetitivos e sobrecarga de pesos. Mas alguns mitos sobre o aumento da massa muscular perderam a força, e a prática já é aceita como importante coadjuvante na manutenção da saúde.
Esse reconhecimento se deve em parte à adoção de hábitos cada vez mais sedentários. Nossos antepassados precisavam andar quilômetros, nadar e até lutar para conseguir alimentos. Hoje, mexendo apenas os dedos para discar, é possível obter uma refeição completa em poucos minutos. Parece uma evolução e tanto, sem dúvida. Mas os músculos e ossos foram os que mais perderam com todas essas conquistas da modernidade.
É aí que entra a musculação. "Ela é uma saída para exercitar grupos musculares que raramente usamos e prevenir problemas gerados pela falta de uso, como desvios posturais, falta de flexibilidade, complicações vasculares e fraqueza muscular", garante o fisiologista Turíbio Leite Barros Neto, coordenador do Centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Sustentação e proteção a músculos e ossos

A prática é perfeita para quem está parado. Mexe com o corpo todo e não exige tanto fôlego. Também faz bem ao coração: trabalhar os músculos das pernas, acredite, facilita o retorno do sangue aos membros. Por tudo isso, nem o atleta profissional está liberado do treinamento com pesos. Segundo o personal trainer José Carlos Gallo (RJ), a partir dos 25 anos o corpo começa a perder massa magra e a acumular gordura. "Quem não exercita os músculos chega a reduzi-los de 8 a 10% por década. Sem falar que, aos 60 anos, a massa magra é 30 a 50% menor do que na juventude. E o depósito de gordura, cerca de 11% maior", avisa. Resultado: flacidez, maior atrito entre as articulações, ossos fracos. A musculação consegue interromper e reverter o processo, por isso é recomendada até para idosos. Com a musculatura fortalecida, eles sustentam melhor a coluna e estão mais protegidos das quedas. Também conseguem brecar a osteoporose. "A tração mecânica que tonifica os músculos estimula o depósito de cálcio nos ossos, fortalecendo-os", explica Turíbio Leite.

Tem de ter consciência e disciplina sempre

No outro extremo, exercitar a musculatura desde cedo só traz benefícios. Porém é preciso ter consciência corporal e maturidade para se malhar com pesos. Adolescentes devem pegar leve para não atrapalhar o crescimento, especialmente os meninos, que desejam músculos salientes. "Os hormônios ainda não estão a todo vapor e isso pode interferir no ganho da massa muscular", orienta o fisiologista. Exames clínicos e ortopédicos e um treino orientado, vale ressaltar, são fundamentais em qualquer idade. O ortopedista João Gilberto Carazzato, chefe do grupo de medicina esportiva do Hospital das Clínicas (SP), garante que a execução errada dos movimentos e a escolha aleatória de carga ou repetições podem causar lesões na coluna vertebral, nos ombros e nos joelhos. Portanto, com orientação e consciência, mais do que um corpo enxuto, você exibirá saúde cada vez que mostrar seus bem torneados músculos.

Seu objetivo primordial é emagrecer?

Hoje, há quem defenda que exercitar os músculos antes dos exercícios aeróbicos é mais eficaz para reduzir a gordura corporal do que o contrário. O professor de musculação Sérgio Hanna (SP) foi um dos primeiros a adotar o novo treinamento. "Os alunos perdem até 4 kg e 3 cm de cintura em apenas um mês. E a redução só não é maior porque eles, paralelamente, aumentam a massa muscular", afirma. A explicação está nos 'combustíveis' que o corpo usa durante a atividade. Nos primeiros 30 minutos, a energia vem dos carboidratos (de consumo fácil). Depois, a fonte é a gordura (moléculas difíceis de serem absorvidas). Se o aluno dedica a primeira meia hora à musculação, quando passar para os aeróbicos a queima de massa gorda tende a ser maior. Outra vantagem: melhora o desempenho em ambos os exercícios. "Feitos antes, os movimentos nos aparelhos saem com mais perfeição. E, com os músculos fortes e alongados, é mais fácil encarar uma atividade acelerada depois."
Além disso, os músculos consomem muito mais calorias que a gordura. Para cada 500g de músculos adquiridas, você gasta cerca de 50 calorias a mais. Logo, quanto mais músculos, menos gordura. O que viraria estoque no seu abdômen vira alimento dos músculos.

TREINO DE PANTURRILHAS

treino de panturrilha


Suas panturrilhas não desenvolvem? Estaria você fadado a ter micro panturrilhas a vida inteira? Saiba que é possível sim possuir panturrilhas bem desenvolvidas na grande maioria dos casos. É dificil alguem gostar de treinar panturrilhas, então muitas pessoas simplesmente deixam de lado esse grupo muscular não dando uma atenção necessária. Não é ficando meses no famoso 3×8 que você irá desenvolvê-las. Se você é um dos que treinam panturrilhas somente para não pesar a consciência e depois culpam a genética, pare e começe a usar seu tempo de forma produtiva.


Panturrilhas sofrem uma constante estimulação de baixa intensidade durante o dia todo, ao contrário de costas e peito por exemplo. Então é difícil estimular o crescimento nessa área similarmente ao que ocorre com outros grupos musculares.

O que você pode melhorar no seu treinamento de panturrilhas? Veja abaixo 10 dicas que você pode aplicar aos seus treinamentos:

1- Força de vontade: treine panturrilhas com a mesma vontade a qual você treina braços, peito e costas. Quando estamos chegando nas últimas repetições das ultimas séries é normal sentir-mos uma forte queimação. Não pare, continue até a musculatura falhar. Priorize o treinamento de panturrilhas.
2- Aumente as repetições: se você não está tendo bons resultados com baixas repetições tente aumentá-las. Quem sabe 12, 15 ou mais repetições podem ser boas.
3- Aumente a intensidade e freqüência: como dito, as panturrilhas precisam de mais estímulo. Treinar apenas uma vez por semana com peso leve pode ser pouco estímulo. Tente treinar 2 ou 3 vezes na semana, e com ‘pesos pesados’.
4- Tempo de descanso: as panturrilhas possuem um intervalo de recuperação mais curto, dê a elas descansos menores como 30 ou 45 segundos.
5- Numero de séries: ficar a vida toda no 3×8 não o levará a lugar algum. Aumente as séries, tente 4 ou 5 quem sabe.
6- Variação: varie o treinamento, os exercícios e angulação mês a mês. Não de chance das panturrilhas adaptarem-se ao seu treinamento. Fazer dorso-flexão (tirar o dedão do chão) entre as séries de panturrilha pode ser interessante.
7- Drop sets: abuse delas.
8- Não tenha pressa: cadencie. Levante o peso de forma lenta, e desça mais lentamente ainda.
9- Mantenha a carga no topo: ao final da fase positiva de cada repetição dê uma pausa de 1 ou 2 segundos.
10- Técnica de execução é fundamental: execute o exercício com boa técnica. Concentre a tensão nas panturrilhas.

Certamente essas dicas aqui não são nenhuma regra ou receita do sucesso. Tenha bom senso e procure sempre tentar perceber ao que seu corpo responde melhor

terça-feira, 23 de agosto de 2011

MITOS DA MUSCULAÇÃO PARA MULHERES


Para a mulherada que tem medo de treinar pesado… Especialmente p/ vcs!
Encontrei esse artigo num site americano de fitness e resolvi traduzir…
Fonte: Hugo Vieira – About.com Bodybuiling
Traduzido de http://www.about.com/

1-Treinar musculação fará você ficar grande e musculosa
Pelo fato das mulheres não produzirem tanta testosterona (um dos principais hormônios responsáveis em aumentar o volume muscular) quanto os homens, é impossível para uma mulher ganhar músculos enormes levantando um pouco de peso. Esse mito deve ter sido criado baseado na imagem das fisiculturistas profissionais. Infelizmente, aquelas mulheres usam esteroides anabolizantes (testosterona sintética) junto com outras drogas + treino pesado para atingirem aquele nível. Acredite em mim quando eu digo que elas não ganharam aqueles músculos por acidente… Mulheres que treinam musculação sem usar anabolizantes irão conseguir um corpo tonificado, definido e livre de celulite.

2-Musculação faz gordura virar músculo
Isso é o mesmo que dizer que você pode fazer qualquer metal virar ouro. O jeito que ocorre a transformação é o aumento da massa muscular ao levantar pesos e a redução de gordura através do metabolismo que se torna mais rápido, aeróbios e dieta. Gordura e músculo são tipos de tecidos completamente diferentes. Um não pode se transformar em outro.

3-Se você parar de treinar, seus músculos irão virar gordura
Novamente, é como dizer que ouro pode virar latão. O que ocorre é que quando alguém pára de treinar, os músculos começam a diminuir pela inatividade e geralmente, ela também abandona a dieta. Daí então: hábitos alimentares errados + sedentarismo = aumento de gordura, o que dá a impressão de que o músculo está virando gordura, mas o que está acontecendo é que o músculo está diminuindo e a gordura sendo acumulada.

4-Desde que você treine, você pode comer o que quiser
Como eu gostaria que isso fosse verdade! Nosso metabolismo é quem determina quantas calorias iremos queimar num exercício e no resto do dia. Se consumirmos mais calorias do que queimamos, iremos engordar. Outra coisa: um pouco de exercício não gasta TANTAS calorias como imaginamos… Então, qualquer escapada da dieta você irá acumular gordura.

5-As mulheres só precisam fazer aeróbios e um treino leve de musculação
Primeiro de tudo: se você só fizer aeróbios pode até emagrecer, porém além de perder gordura, perderá massa magra também. A musculação, além de aumentar sua massa muscular também ajuda na queima de gordura. Mulheres que só fazem aeróbios, dificilmente chegarão no corpo durinho e malhado que desejam e, para atingir esse corpo, o treino com pesos não  pode ser leve. Os músculos respondem a estímulos e se o estímulo é leve, não haverá razão para o corpo mudar. Mulheres devem treinar pesado! Se você quer conquistar um belo corpo, não tenha medo de aumentar seus pesos na academia!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

MÉTODO DE TREINAMENTO AVANÇADO (EXPLOSÃO MUSCULAR)

Mais um treino com: Simone Andrade
06h. da manhã

Academia Refea Center

video

Objetivo: emagrecimento, resistência e hipertrofia muscular
Praticante: intermediário e avançado
Procedimento: O método consiste em executar uma série de um determinado exercício, e imediatamente após, executar uma série de outro exercício. Após a execução das duas séries combinadas, há uma pausa, para realizar a próxima combinação das séries. Podem-se realizar exercícios para o mesmo grupo muscular ou para outro distinto.
Vantagem: redução do tempo sessão de musculação

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Levantamento de peso pode ajudar a parar de fumar, diz estudo!

Homens e mulheres se beneficiam do treinamento resistido regular.
Resultados do estudo foram relatados pela revista Nicotine & Tobacco Resear.
'

Portal Terra
O levantamento de peso pode fazer mais do que aumentar os músculos. É o que dizem os pesquisadores do Hospital Miriam, em Rhode Island, nos Estados Unidos. Segundo o jornal britânico Daily Mail, novas pesquisas apontaram que os exercícios podem ajudar os fumantes a largar o vício.

Segundo dados preliminares, homens e mulheres estão duas vezes mais propensos a parar de fumar se eles fazem treinamentos regulares de resistência. O estudo piloto, relatado pela revista Nicotine & Tobacco Research, acompanhou 25 homens e mulheres fumantes com idades de 18 a 65 anos, que relataram fumar pelo menos cinco cigarros por dia durante, pelo menos, um ano.

Todos os participantes receberam oito semanas de adesivo de nicotina, antes de serem colocados em grupos aleatórios. O grupo que recebeu treinamentos de resistência enfrentou 60 minutos de treino por semana, durante três meses. A rotina envolvia dez exercícios, com o aumento gradual da intensidade durante as semanas.

No final do período, 16% dos fumantes largaram o vício e conseguiram diminuir o peso, ao contrário do que geralmente acontece. No outro grupo, que não passou por treinamentos, apenas 8% dos participantes largaram o cigarro e todos eles engordaram após a desistência.

De acordo com o autor da pesquisa, o médico Joseph Ciccolo, o estudo é promissor. "São necessárias mais pesquisas na sequência deste estudo, antes do treino de resistência ser utilizado como um tratamento clínico para o combate ao tabagismo" disse.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

VOCÊ É AQUILO QUE DESEJA SER!

Eu não "MALHO" eu TREINO de verdade!!!

A dor não é nada comparado ao resultado.
Parabéns Grazy!!

TREINAMENTO MUITO ALÉM DA ESTÉTICA

Nada de aparelhos de musculação, conheça o 'fitness pré-histórico'
Para os adeptos do paleotreino, o segredo de um corpo saudável está em exercitar-se como o homem das cavernas.

Isto É - Independente
 
À primeira vista, lembra uma gincana ou um treino militar: pessoas subindo em árvores, carregando toras, caminhando em lamaçais e lançando pedras. Parece, mas não é. As atividades são parte do chamado paleotreino, uma série de exercícios inspirados nos movimentos que o homem fazia no período paleolítico (de 2,7 milhões de anos a dez mil anos a. C.). Na Inglaterra e nos Estados Unidos, por exemplo, já há grupos que aderiram à proposta – é possível encontrá-los treinando em cenários urbanos, como o Central Park, em Nova York. Une os adeptos do paleotreino alguns princípios bem inusitados. O primeiro é manter-se longe de aparelhos de musculação e de uma estética de academia que preconiza: quanto mais atrofiado o músculo, melhor. Asfalto e cimento também estão banidos durante o exercício. E até mesmo o guarda-roupas obedece a alguns critérios. Entre os praticantes, não se veem camisas ou calças de modernos tecidos sintéticos ou tênis com amortecimento de última geração. No pé, no máximo um calçado minimalista e, no corpo, o mínimo possível de roupas. Quem dita a moda para essa tribo (da alimentação às vestimentas) é o homem das cavernas.


Dois grupos principais articulam os praticantes: o MovNat (que oferece cursos presenciais) e o Caveman (uma espécie de fórum na internet) – ambos sediados nos Estados Unidos. A razão de seguir o homem primitivo, justificam os praticantes, estaria na consciência corporal que ele possuía – e que teria sido perdida com a evolução. A crítica é que o modo como se exercita o corpo atualmente prioriza mais sua estética do que sua função prática. Como resultado, limitam-se as habilidades naturais do ser humano e a musculatura obtida é pouco funcional. “Imagine-se em uma situação de perigo na qual você necessite correr ou escalar ou nadar por muito tempo ou uma combinação dessas atividades”, disse à ISTOÉ o francês Erwan Le Corre, um dos expoentes do paleotreino, mentor do MovNat (abreviatura para “mova-se naturalmente”). “Como você escolheria a habilidade mais importante?”, pergunta.

A solução para o dilema, segundo Le Corre, está em priorizar todas essas habilidades no treino e não apenas uma. Embora pareça anacrônico – uma vez que os elementos que ameaçam o homem moderno são bem distintos daqueles do período paleolítico – o eixo do paleotreino é estar preparado para lutar pela vida como faziam nossos ancestrais. E, para isso, vale correr descalço, equilibrar-se em cordas, levantar pedras ou mover-se como um quadrúpede.

Eleger o homem das cavernas como modelo de vida é algo novo. Valorizar os movimentos do homem primitivo, porém, é mais antigo. Foi recomendado por outro francês, o marinheiro George Hébert, que no início do século XX desenvolveu o “método natural”, no qual enfatizava a necessidade de resgatar os movimentos naturais para garantir o desenvolvimento de um corpo funcional – e não apenas esteticamente belo. Além do paleotreino, seguem essa inspiração outras modalidades, como o parkour e a ginástica natural (criada pelo brasileiro Alvaro Romano na década de 1970, com foco no uso do peso do corpo para se exercitar). Apesar de beber da mesma fonte, Romano não vê com bons olhos o extremismo do paleotreino. “Eles propõem atividades que têm muito risco”, diz. “Não é qualquer pessoa que pode subir em uma árvore, atirar uma pedra ou carregar uma tora”, exemplifica.

Quem pratica garante que o grau de dificuldade dos exercícios é evolutivo: começa básico e, à medida que a pessoa ganha força e mobilidade, o treino torna-se mais complexo. Mesmo assim, não é qualquer um que deve aderir ao programa. “É uma proposta válida, mas não a recomendaria para quem não tem um bom preparo físico”, diz Flávia Martinez, coordenadora do Laboratório de Pesquisa do Exercício da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Para a especialista, as atividades expõem muito a coluna, o que pode gerar desgaste e lesões.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

FUNGINDO DA ROTINA, CAMINHADA FUNCIONAL - DESAFIANDO A SI MESMO.



video


Andar de costas é indispensável para ativar a memória e para manter o equilíbrio físico e mental. Os benefícios para o corpo existem de fato. Caminhar para trás fortalece a musculatura posterior das pernas. A locomoção para trás força menos os joelhos do que quando se anda para frente. Por isso, muitas vezes quando se anda para trás, dores nos joelhos desaparecem. Na marcha reversa, a movimentação do pé difere completamente do andar para a frente. A primeira parte a tocar o chão não é o calcanhar: é  a ponta do pé. Com isso, exercita-se e coloca-se o peso do corpo em pontos que, normalmente, não são requisitados na locomoção. A postura de todo o corpo fica mais correta, ajudando a coluna a ficar ereta.
Por ser menos natural, o movimento coloca outros ossos e músculos para funcionar, possibilitando à pessoa ganhar agilidade com o corpo e melhorar sua performance. Um estudo feito pelo especialista em biomecânica Barry T. Bates, no Canadá, aponta para o desenvolvimento das funções neuro-musculares em praticantes da marcha à ré.
Caminhar para trás é recomendado por fisioterapeutas e médicos para a reabilitação dos movimentos normais em vários casos cirúrgicos e de lesões. Faz parte do processo de reabilitação de: cirurgia no joelho,  lesões musculares no quadril ou na lombar e danos causados por torções no tornozelo ou no calcanhar. É um estímulo que, associado a outras terapias, tem mostrado sua eficácia.
A medicina esportiva, há muito tempo, aplica os movimentos de marcha à ré tanto em treinamentos quanto em terapias de atletas. Em muitos esportes, correr para trás tão bem quanto para frente faz a diferença entre ganhar ou perder. Jogadores de futebol sabem que correndo de costas deixam a bola, os adversários e os colegas em seu campo de visão para pensar e realizar a melhor jogada.
Como em qualquer atividade física, é preciso precaução. Para praticar a marcha para trás, recomendo ainda mais atenção do que na caminhada para frente. Escolha um terreno plano e sem muita gente em movimento. Os iniciantes devem dar passos bem pequenos e olhar para um ponto fixo, o que ajuda a manter o equilíbrio do corpo. Muito cuidado com os obstáculos para evitar quedas. Para adicionar outros graus de dificuldade ao exercício, pode-se subir ou descer ladeiras e aumentar, gradativamente, a velocidade e o trajeto. Sempre observe suas próprias limitações. Há pessoas que se sentem tontas ao caminhar para trás. Lembre-se de consultar um médico antes de iniciar atividades físicas.
Fonte: Instituto de Ortopedia e Saúde.

AÇÚCAR CAUSA DEPENDÊNCIA COMO ÁLCOOL E CIGARRO

Açúcar causa dependência como álcool e cigarro, diz médico
Açúcar é veneno. Do mais natureba, o mascavo, até o suco de fruta ou o famigerado xarope de milho, o açúcar está por trás de doenças cardíacas, diabetes e câncer. E deveria ser proibido para menores de 21 anos, como o álcool e o cigarro.
É com essas declarações polêmicas que o americano Robert Lustig, endocrinologista pediátrico da Universidade da Califórnia em San Francisco, ganhou fama internacional nos últimos anos.
Sua palestra “Açúcar: a verdade amarga” teve mais de 900 mil acessos no YouTube. Há duas semanas, suas teses foram tema da reportagem de capa da revista do “New York Times”. Abaixo, os principais trechos da entrevista que ele concedeu à Folha, por telefone.
Folha – O senhor defende que as pessoas eliminem totalmente o açúcar da dieta?
Robert Lustig – Não, eu não sou um “food nazi”. Eu como açúcar, mas muito pouco.
Nosso corpo tem uma capacidade muito limitada para metabolizar o açúcar e nós vivemos muito acima dela. Não precisamos de frutose para viver. Nosso corpo ficaria muito bem sem nenhuma frutose [açúcar refinado, a sacarose é composta de 50% de frutose e 50% de glicose].
Qual é o máximo de frutose que deveríamos ingerir?
Não temos certeza. Mas uma estimativa é 50 g por dia. Meus estudos mostram as similaridades entre frutose e álcool. Eles são metabolizados da mesma forma, no fígado. E nós sabemos qual é o limite de toxicidade para o álcool: 50 g. A epidemia de obesidade começou quando o consumo de frutose ultrapassou os 50 g por dia [ou 100 g de açúcar, o mesmo que duas latas e meia de refrigerante].
A Associação Cardiológica Americana publicou uma orientação, em agosto de 2009, da qual eu sou coautor, dizendo que o consumo atual de açúcar nos EUA é de 22 colheres de chá por dia. Deveríamos reduzir isso para nove colheres no caso de homens e seis no caso de mulheres.
Qualquer açúcar é ruim, não importa se é mascavo ou xarope de milho?
Todos são igualmente ruins.
Deveríamos substituí-los por adoçantes artificiais?
Adoçantes artificiais são uma questão complicada. Não fizemos todos os testes para saber o que os adoçantes fazem no organismo.
Segundo uma linha de estudos, uma vez que a língua sente o sabor doce, o cérebro se prepara para a entrada do açúcar no sangue. Se ele não entra, o cérebro fica confuso, o que pode levar a um aumento no consumo de açúcar. Há estudos ligando o consumo de adoçantes a obesidade e doença cardíaca.
Qual a alimentação que os pais devem dar a seus filhos?
Crianças devem comer comida de verdade.
Mas isso inclui suco de fruta natural…
Não, suco de fruta, mesmo natural, não é comida de verdade. Deus fez suco de fruta? Não. Deus fez fruta. Qual é a diferença entre a fruta e o suco? Fibras. A fibra é a parte boa da fruta, e o suco, a má. Sempre que há frutose na natureza, há muita fibra –há uma exceção, o mel, mas este é policiado pelas abelhas.
As fibras limitam a velocidade da absorção dos carboidratos e das gorduras do intestino para a corrente sanguínea. Quanto mais rápido a energia sai do intestino e vai para o fígado, maiores as chances de danificar o órgão.
Quando o senhor diz que crianças devem comer comida de verdade, isso inclui um sorvete no fim de semana?
Sim. Quando eu era pequeno, sobremesa era uma vez por semana. Hoje, é uma vez por refeição. Esse é o problema. Eu tenho duas filhas pequenas e é isso que faço. Se é dia de semana e elas querem sobremesa, ganham uma fruta. Uma bola de sorvete, só no fim de semana. Elas seguem as regras e não ficam sonhando com doces.
O senhor propõe que a venda de doces e refrigerantes seja proibida para menores, como cigarros e álcool.
Sim. Refrigerantes não têm valor nutritivo, não fazem nenhum bem às crianças. Se os pais quiserem que seus filhos tomem refrigerante, que comprem para eles.
Não é exagero comparar açúcar a álcool e cigarros?
Não. Cigarros e álcool causam dependência, e açúcar também. Nos refrigerantes, tanto a cafeína como o açúcar causam dependência. Sal e gordura causam hábito, mas não dependência.
Como o senhor explica os efeitos nocivos do açúcar?
Quatro alimentos foram associados à doença metabólica crônica: gorduras trans, aminoácidos de cadeia ramificada [soja], álcool e frutose.
A frutose, quando é metabolizada, libera substâncias tóxicas chamadas espécies reativas de oxigênio [radicais livres], que levam a danos nas células no longo prazo, envelhecimento e, potencialmente, câncer.

O PESO DE SER PAI

Fonte: Menshealth.

Armadilha – 1
Você dorme menos. E vários estudos ligam privação de sono à obesidade.
Solução magra – Se vai ficar mais tempo do que o normal acordado, fique esperto com a quantidade de calorias que ingere nas três grandes refeições. É importante ter energia e por o organismo para queimar calorias mais rápido.
Armadilha – 2
Você come as sobras de batatas fritas e sobremesas.
Solução magra – Não dê pratadas a seu filho. A criança come cerca da metade de um adulto.
Armadilha – 3
Você prepara comidas para agradar às crianças, ou seja, hambúrguer e pizza.
Solução magra – Queijo quente? De preferência coma queijo branco. Pizza? Para o seu bem (e delas também) faça a pizza com massa fina.
Armadilha – 4
Vocês comem muito fora.
Solução magra – Os restaurantes preferidos das crianças geralmente são os mais calóricos. Vá direto ao prato principal (salada ou grelhado).
Armadilha – 5
É você quem vai com seus filhos às competições no fim de semana – e também quem come as guloseimas nos intervalos.
Solução magra – Leve castanhas, frutas secas ou barrinhas de cereais – esses são os petiscos para sua faixa etária.

COMENDO SEM PERCEBER? PERCA PESO SEM PERCEBER!

 
Sucesso em uma dieta está ligado a pequenas mudanças.
Foco deve ser na mudança do ambiente para que ele trabalhe por você.

Diário da Saúde
 
Você não precisa de tanta força de vontade para ter sucesso em uma dieta quanto lhe fizeram pensar.

Isso é o que afirma o Dr. Brian Wansink, da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos.

Segundo ele, a diferença entre o fracasso e o sucesso em uma dieta está em pequenas mudanças que as pessoas podem fazer ao seu redor.

A ideia que é que essas mudanças induzam a pessoa a comer de forma saudável, sem precisar pensar nisso ou ter que se esforçar para isso.

Mudanças no ambiente

"Nossas casas estão cheias de armadilhas de comida escondidas," disse Wansink durante a convenção anual da Sociedade Americana de Psicologia.

"A maioria de nós tem caos demais em nossas vidas para sermos capazes de, conscientemente, focarmos em cada mordida que damos e nos perguntarmos se ainda estamos com fome.

"O segredo é mudar nosso ambiente para que ele trabalhe por você, e não contra você," afirmou.

E as mudanças começam pelo tamanho dos pratos e outros recipientes usados para comer.

Vasilhas que aumentam o apetite

As pesquisas mostraram que uma pessoa que compra o pacote maior de pipoca (extra-grande) no cinema consegue comer 45% mais pipocas do que quem compra "apenas" o tamanho grande.

E crianças, de diversos pesos e diversas idades, que comem cereal em uma vasilha grande comem até o dobro do que as crianças que usam uma tigela menor.

Os cientistas também pesquisaram esse comportamento com relação aos líquidos: quem usa um copo baixo e largo toma até 37% mais refrigerante do que quem usa copos altos e finos.

Todas as pesquisas tomaram por base o desejo dos participantes em parar de comer, ou seja, quando eles se sentiam satisfeitos - usar recipientes maiores parece aumentar o volume necessário para que as pessoas se sintam satisfeitas e parem de comer.

Quando parar de comer

Em outro estudo impressionante, Wansink desbancou o mito de que as pessoas sabem quando estão satisfeitas e param de comer antes de ficarem empanturradas.

Os pesquisadores fizeram um experimento no qual voluntários que gostam de sopa foram divididos em dois grupos.

O primeiro grupo sentou-se frente a uma tigela de sopa grande, com capacidade para 610 gramas de sopa.

O segundo grupo recebeu uma tigela "especial": ela não tinha fundo e, sem que os participantes percebessem, um sistema de ar comprimido localizado sob a mesa ia colocando um pouco mais de sopa na tigela conforme o voluntário ia comendo - a sopa baixava, mas mais lentamente.

As pessoas que se sentaram frente às tigelas sem fundo comeram 73% mais do que as pessoas com tigelas normais e, de forma surpreendente, não perceberam que haviam comido mais do que o normal.

"A lição aqui é: não confie em seu estômago para lhe dizer quando você está cheio. Ele pode mentir," disse Wansink.

Estratégias para uma dieta de sucesso

O pesquisador dá outras dicas para quem quer que suas dietas realmente deem resultado:

:: deixe de lado os pratos comuns e passe a comer em pratos de salada;
:: mantenha os alimentos não-saudáveis guardados em vasilhas, fora de vista;
:: coloque os alimentos saudáveis bem à vista, sobre a mesa ou sobre o balcão da cozinha;
:: nunca coma na frente da televisão.

"Essas estratégias simples têm muito mais probabilidade de dar certo do que a força de vontade sozinha. É mais fácil mudar o ambiente do que mudar a sua mente," concluiu Wansink.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

MITOS E VERDADES SOBRE ACADEMIA


Fonte: corpo em forma

1- Exercícios aeróbicos são os ideais para emagrecer?
Qualquer atividade física faz a pessoa perder calorias. O fato de emagrecer vai depender do objetivo e da intensidade da atividade realizada. O exercício aeróbio é o ideal para o progresso de emagrecimento, pois é a atividade que temo maior gasto energético, lembrando que vai depender da intensidade realizada da atividade.


2- Musculação emagrece?
Sim, a musculação é umas das principais atividades físicas que faz emagrecer,isso porque a musculação leva a um aumento do metabolismo basal (gasto energético para nossas funções vitais), que, por sua vez, promove um aumento do gasto calórico diário e, conseqüentemente, ao processo de emagrecimento.


 
3- No início de treinos já é possível sentir redução de peso corporal na balança?
Depende da pessoa. Isso porque não podemos levar em consideração a balança,pois é uma mensuração mal interpretada pela maioria das pessoas. Em algumas pessoas ocorre sim o emagrecimento na balança, em razão do maior gasto energético com os treinos, que leva a um fenômeno chamado balanço calórico negativo (diariamente, a pessoa perde mais calorias do que ganha). Em outras,ocorre um aumento do tecido muscular e não no tecido adiposo, que irá influenciar diretamente na balança, ou seja, haverá um aumento do peso corporal na balança.


4- É possível transformar gordura em músculo?
Impossível, primeiro que são tecidos diferentes (tecido. adiposo e tecido. muscular)e suas funções são distintas no nosso organismo. O que acontece, em razão da prática de atividades físicas, é um aumento do tecido. muscular e conseqüentemente uma diminuição do tecido. adiposo.

5- Os exercícios localizados eliminam a gordura localizada em algumas regiões do corpo?
Não, isso é um mito. Os exercícios localizados ajudam a perder calorias e,conseqüentemente, proporcionam uma diminuição da quantidade de gordura geral do nosso corpo.

6- É mais importante queimar calorias ou fazer exercícios?
É a mesma coisa. Com a prática de exercícios se tem um aumento do gasto calórico.

7- Devemos ou não usar suplementos alimentares?
Depende dos objetivos e necessidades de cada pessoa. Na maioria das vezes não existe a necessidade da utilização de suplementos, pois uma alimentação bem balanceada já é ideal para atingir os objetivos e necessidades da pessoa. Caso ocorra o uso de suplementos é de fundamental importância o acompanhamento de um(a) nutricionista.

8- É preciso sentir dor muscular para que o exercício surta efeito?
Não, pois nem sempre a atividade vai causar dor muscular. Essa dor vai depender muito da pessoa, tipos de treino, intensidade e volume de treinos, entre outros...

9- Para manter a forma é preciso treinar para o resto da vida?
Sim, pois a atividade física vai beneficiar-nos de uma melhor qualidade de vida e conseqüentemente uma melhor estética.

10- Pilates e ioga não têm o mesmo efeito que a ginástica?
Sim, pois nessas aulas você tem um gasto calórico significativo, ganho de força, consciência corporal, flexibilidade; são ótimas atividade. O que vai depender são os objetivos do aluno, pois existem atividades especificas para determinados objetivos. Procure um profissional de educação física, pois ele saberá dizer qual a melhor atividade física para seu objetivo.

domingo, 7 de agosto de 2011

AZEITE CONTRA BARRIGA E DOENÇAS

 

Azeite antibarriga
O óleo extraído da oliva evita o acúmulo da gordura visceral, que provoca doenças cardiovasculares e diabete, combate a osteoporose e inflamações.

por Regina Célia | fotos Dercílio | design Thiago Lyra

Basta um fio dourado do óleo da oliva para que aquela torrada dura e seca ganhe textura macia e sabor especial. Uma outra transformação ocorre no seu organismo, mais precisamente no abdômen, quando você consome o azeite: ele impede o depósito de gordura bem ali, na linha da cintura. Parece um contra-senso, já que o alimento é dos mais calóricos cada grama oferece cerca de 9 calorias. Mas a descoberta é séria: o consumo das azeitonas evita mesmo a barriga indesejada.
Quem assina embaixo são cientistas de diversas universidades européias. Juntos eles publicaram seu trabalho no periódico Diabetes Care, da Associação Americana de Diabete, em que compararam exames de imagem de voluntários, antes e depois do consumo do óleo. E observaram que esse bom hábito diminuiu os depósitos de banha no abdômen. Diga-se: o ideal seria que você consumisse duas colheres de sopa por dia do ingrediente para obter seus benefícios.
No fundo, o mérito é todo da gordura monoinsaturada, que predomina no azeite. Se ela já era festejada por varrer o colesterol ruim das artérias, agora os médicos têm ainda mais motivo para cobri-la de elogios. Isso porque estão empenhados em acabar com as barrigas avantajadas e não tem nada a ver com questões de beleza. A gordura visceral, justamente aquela da cintura, produz substâncias que dificultam a ação da insulina, o hormônio produzido pelo pâncreas que ajuda a glicose a entrar nas células.
Ou seja, barriga grande pode levar ao diabete do tipo 2, explica o endocrinologista Márcio Mancini, presidente eleito da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, Abeso. O diabete, ao lado da pressão alta, do colesterol, dos triglicérides alterados e, de novo, da tal barriga, é o componente básico de um mal que mata a síndrome metabólica. O azeite, no entanto, ajuda a quebrar esse círculo nefasto.

sábado, 6 de agosto de 2011

AME O SEU CORPO PARA PERDER PESO

 
 
Melhorar a autoimagem pode aumentar a eficácia dos programas de emagrecimento.
 

Diário da Saúde
 
A obesidade aumenta o risco de diabetes e doenças cardíacas e pode reduzir significativamente a expectativa de vida de uma pessoa.

Por isso, não deveria ser surpresa que as pessoas que gostam mais de si mesmas deveriam lutar com maior determinação contra essa condição.

Pesquisadores das universidades Técnica de Lisboa e Bangor fundamentaram essa constatação, em um estudo que mostra que melhorar a autoimagem pode aumentar a eficácia dos programas de emagrecimento com base em dietas e exercícios.

Plano de intervenção comportamental

Os pesquisadores reuniram mulheres com sobrepeso e obesidade em um programa de perda de peso com um ano de duração.

Metade das mulheres recebeu informações sobre saúde em geral, sobre a boa nutrição, gerenciamento do estresse, e a importância de cuidar de si mesmas.

A outra metade participou de 30 sessões semanais em grupo (o plano de intervenção comportamental), onde foram discutidas questões como exercícios físicos, o comer emocional, melhoria da autoimagem corporal, e como reconhecer e superar barreiras pessoais à perda de peso e lapsos da dieta, o chamado efeito sanfona.

Conscientização

As mulheres do plano de intervenção comportamental melhoraram a imagem que tinham do próprio corpo e reduziram suas preocupações com as dimensões e a forma corporal.

Ao contrário do que possa parecer, contudo, mesmo se sentido muito melhores consigo mesmas, elas não se resignaram com seu peso.

Em comparação com o grupo controle, elas foram mais capazes de auto-regular sua alimentação e perderam muito mais peso - em média 7% do seu peso inicial, em comparação com menos de 2% para o grupo controle.

Problemas de imagem corporal

"Problemas de imagem corporal são muito comuns entre as pessoas com sobrepeso e obesidade, muitas vezes levando a padrões mais rígidos de alimentação, que são obstáculos para perder peso," dizem os pesquisadores.

"Nossos resultados mostraram uma forte correlação entre melhorias na imagem corporal, especialmente na redução da ansiedade sobre as opiniões de outras pessoas, e mudanças positivas no comportamento alimentar.

"Com isto, acreditamos que aprender a se relacionar com o próprio corpo de forma mais saudável é um aspecto importante para a manutenção da perda de peso e [isto é algo que] deve ser abordado em todos os programa de controle de peso."

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

TREINAR NA TPM REQUER CUIDADOS ESPECIAIS.

Dica é não praticar exercícios por longos períodos e nem com excesso de carga.
Há um exercício para cada tipo de TPM.
Portal IG
O período pré-menstrual geralmente é marcado pelo aumento da fadiga muscular e nervosa, com a conseqüente diminuição da capacidade de desempenho. Esse processo ocorre em função da oscilação hormonal no organismo da mulher.

O mais importante é respeitar as limitações impostas nessa fase, pois, do contrário, é possível ter os sintomas da TPM intensificados. A dica é não praticar exercícios por longos períodos e nem com excesso de carga. E antes de optar por uma atividade física nesse momento, é bom a mulher saber qual tipo de TPM tem.

Aquelas que sofrem a do tipo A, que tem a ansiedade como principal característica, podem apostar em ioga, alongamento e técnicas de respiração e meditação, que diminuem a tensão muscular e o mau humor e melhoram a concentração.

Quem tem TPM do tipo C, marcada pela compulsão, pode optar por atividades aeróbias, que liberam endorfina no sangue. Além de ser responsável pela sensação de bem-estar, esse hormônio parece agir como estabilizador da glicose, diminuindo, assim, a vontade de açúcar.

Na do tipo D predomina a depressão. Portanto, exercícios aeróbicos também são ótimos, já que elevam os níveis de serotonina – hormônio conhecido por melhorar o humor. Já a TPM do tipo H é aquela assinalada pela indisposição total, com presença de muitas dores e inchaço. Então, em dias críticos, o melhor é repousar ou, no máximo, fazer uma aula de hidroginástica.

É importante frisar que, independente do tipo de TPM, a prática regular de atividades físicas melhora os incômodos típicos dessa fase. Um estudo da Universidade British Columbia, no Canadá, analisou mulheres sedentárias que se submeteram a programas de atividade aeróbia regularmente por seis meses. Ao final do período, constatou-se que elas apresentaram uma redução no inchaço, dor nos seios, irritabilidade, depressão e cólicas nos dias que antecedem a menstruação.

Esses benefícios ocorrem porque o exercício físico gera um aumento da taxa metabólica e favorece a circulação sanguinea. Consequentemente, há uma otimização do transporte de oxigênio e nutrientes essenciais, melhorando, assim, todas as funções vitais. E, segundo uma pesquisa realizada na Universidade de Caxias do Sul (RS), os exercícios aeróbicos (correr, pedalar, nadar, etc.) parecem ser mais eficientes do que os anaeróbicos (como musculação) no alívio dos sintomas da TPM – isso porque promovem maior liberação de endorfina, aquele hormônio considerado um calmante natural que também estabiliza a glicose.

Adriana Piacsek é diretora técnica e preparadora física da Associação Esportiva TPM (Treinamento para Mulheres) e também atua como personal trainer no Clube Pinheiros, em São Paulo (SP).

Por Adriana Piacsek